A PRECE DA ATITUDE – Irmão José

 

“Ele, então, vos enviará o seu Filho bem-amado, para vos instruir e dizer estas boas palavras: Eis-me aqui; venho até vós, porque me chamastes!” – (“O Evangelho Segundo o Espiritismo”, Cap. VI – O Cristo Consolador.)

Não resta dúvida de que a prece proferida pelos lábios de quem crê sempre ecoa por justa reivindicação nos Planos Mais Altos, e não permanece sem resposta.

No momento em que se coloca em oração, o homem procura entrar em sintonia com as correntes da existência, que percorrem o oceano da Vida Universal com a serenidade das águas que se ofertam generosas aos que desejam aplacar a sua sede.

Porém, entre semelhante petição verbalizada, feita de maneira silenciosa ou eloquente, e o seu deferimento, decorre um tempo mais ou menos longo, que deixa o seu autor em natural expectativa.

A prece da atitude, contudo, que, em outras palavras, é a prece que se verbaliza através da ação de quem se consagra ao bem, é uma evocação direta e ininterrupta, de resultados imediatos.

E isto porque a prática do bem aos semelhantes estabelece estreita ligação com os inesgotáveis mananciais, de onde todo o Bem promana em favor do homem na Terra.

Assim como a chuva alimenta a fonte, e a fonte nutre o riacho, que, por sua vez, sustenta o rio que se despeja no mar, que, ao evaporar-se, forma as nuvens que, em ciclo incessante, fazem cair água sobre a Terra – o menor bem é parte do Bem maior, com o qual se encontra conectado numa única corrente de luz.

Não desconsideres, pois, o extraordinário poder da prece que se encerra em teu singelo gesto de bondade.

Sempre que possível, em vez de orar de mãos postas, em respeitosa atitude de reverência ao Criador, faze-as orar por ti através do trabalho na caridade, porque as tuas mãos estendidas, já espontaneamente espalmadas na entrega desse ou daquele óbolo a quem dele carece, estarão aptas e receptivas para receberem, de volta, a dádiva de que também necessitas.

Quem se coloca de joelhos e ora a Deus, quase sempre, alimenta a esperança de que o socorro divino venha até onde ele se encontra. Mas quem se levanta e, a fim de socorrê-los, caminha na direção dos mais carentes, está caminhando para o seu encontro mais rápido com o socorro de Deus.

Quando não recebe o aval da atitude nobre, a mais bela oração verbalizada pode simplesmente não passar de harmoniosa nota a integrar a Sinfonia da Criação, que, se é transcendente música para os ouvidos, não atende a quem tem fome de pão.

Irmão José (psic. Carlos Baccelli – do livro “Vinde a Mim”)