ANJOS HUMANIZADOS – Irmão José

ANJOS HUMANIZADOS

Quando descem para conviver com os homens na carne, dificilmente os anjos deixam de expor-se às circunstâncias em que são chamados a viver e de mostrarem-se quase tão humanos quanto eles.

Se assim não fosse, a disparidade entre uns e outros seria tamanha, que, praticamente, tornaria inviável o contato dos que têm algo a ensinar com aqueles que tudo ainda necessitam aprender.

Todavia, porque assim seja, não os busques tornar mais semelhantes a ti do que tanto já lhes custa mostrar que são.

Em vez de apontar-lhes esta ou aquela fragilidade de superfície, faze o possível para igualá-los na robustez das virtudes que demonstram sob o guante da tentação.

E, porque tropecem e, de quando a quando, se revelem vacilantes, não os suponhas com as características de desequilíbrio constante que são próprias do mais comum dos mortais.

Irmão José (psic. Carlos Baccelli – do livro “Pai, Perdoa-lhes!”)