VIRÃO A TI – Irmão José

Todas as coisas hão de vir às tuas mãos…

Desde que semeies e saibas esperar, as tuas mãos hão de se transformar em celeiros de farta colheita.

Não há necessidade de que alongues os braços em desespero…

Tudo, através do suor do mérito, há de vir à palma de tuas mãos.

Não ambiciones o que é dos outros…

Deus é capaz de colocar um Universo nos mãos de cada um de seus filhos!

Faze o teu trabalho…

Onde estiveres, a Bondade Divina te alcançará e te concederá o que for justo.

Não te aflijas…

Quando te desprenderes de tudo, tudo será teu.

Irmão José – psic. Carlos Baccelli – do livro “Ao Alcance das Mãos”

TODA DOR – Irmão José

Faze o bem e prossegue seguindo o teu caminho.

Não esperes cessar a luta em derredor.

Na Terra, ninguém foge à prova que redime.

O arado rasga o chão que se cobre de flor.

Frutos pendem dos galhos da árvore podada.

Toda dor é uma luz que se acende na alma.

Irmão José e Eurícledes Formiga (Poesias) (psic. Carlos Baccelli – do livro “Frutos da Mediunidade”)

CORAGEM – Irmão José

Existe, sim, um tipo de coragem que poucos têm demonstrado – a de admitir o equívoco cometido!

Não estamos nos referindo apenas e tão-somente ao reconhecimento verbal do erro que se perpetrou, feito, não raro, na intimidade de reduzido círculo de pessoas.

Para se considerar, sem alarde, a própria responsabilidade nesta ou naquela atitude impensada em prejuízo de alguém, não há necessidade de que se tenha tanta coragem assim!

Basta que, para tanto, se tenha o mínimo de consciência entre o que seja certo ou errado.

O difícil é chamar para si as consequências de qualquer ação infeliz, com a indispensável coragem de, custe o que lhe custar, se entregar à sua imediata reparação.

Irmão José (psic. Carlos Baccelli – do livro “Pai, Perdoa-lhes!”)

TODAS AS COISAS – Irmão José

Todas as coisas te estão ao alcance das mãos…

Dentre elas, a felicidade.

No entanto, é preciso que saibas para onde direcioná-las…

Não basta que simplesmente estendas as mãos no vazio.

Toda conquista requisita o mínimo de esforço.

Felicidade é construção cotidiana.

É indispensável que a edifiques com o concurso de tuas mãos…

Que a plasmes com o teu toque pessoal…

Que a materializes à tua volta com o abençoado movimento dos teus braços.

Se tudo é possível àquele que crê, mais ainda o é àquele que age.

Irmão José – psic. Carlos Baccelli – do livro “Ao Alcance das Mãos”

NÃO TE ESQUEÇAS – Irmão José

Toda luta engrandece, todo revés educa.

Todo esforço aprimora, todo problema instrui.

Toda prova habilita, toda crise adverte.

Perante o sofrimento, não te aflijas somente.

Escuta em tua dor o que a vida te fala.

Para o aprendiz rebelde, a lição se repete.

Irmão José (psic. Carlos Baccelli – do livro “A Face do Amor”)

INTENÇÃO – Irmão José

Considera a intenção em tudo que faças.

O bem nem sempre é bem e o mal nem sempre é mal.

A lei não te avalia tão-somente as ações.

Toda atitude encerra interesse velado.

Aquilo que pretendes é o que, de fato, queres.

Quem não deseja o bem não faz o bem real.

Irmão José (psic. Carlos Baccelli – do livro “Pão da Alma”)

Consciência e Punição – Irmão José

As atitudes infelizes que estejas tomando contra os outros, não serão uma forma inconsciente de autopunição?

Não estarás desejoso de desencadear processos de autofagia, como quem quisesse fazer desmoronar a própria vida?

Caminhando, deliberadamente, para o erro, não estarás querendo destruir tudo que construíste?

Não será um processo de insatisfação íntima?

A tua rebeldia manifesta contra os que convivem contigo, na realidade não será uma revolta contra ti mesmo?

Não estarás provocando suicídio moral?

Esperavas de ti tanto assim?!

Este nunca será o caminho da superação.

Reconsidera, admite os atavios da própria personalidade e recomeça.

Irmão José (psic. Carlos Baccelli – do livro “Vigiai e Orai”)

SE… – Irmão José

Se consideras a crítica como indispensável instrumento do teu burilamento…

A acusação indébita como convite a maior vigilância…

A maledicência como estímulo à perseverança…

A calúnia como vacina contra o personalismo…

A injúria como exercício de humildade…

E a perseguição como oportunidade de testemunho de fé…

… vencerás!

Irmão José (psic. Carlos Baccelli – do livro “Senhor e Mestre”)

Vibrações Negativas – Irmão José

Pensamentos infelizes geram vibrações negativas.

Vibrações negativas atraem outras, criando uma aura de perturbação.

Não assimiles as vibrações de descrença que contêm as palavras de revolta.

O pessimismo, lentamente, exaure as forças de quem se deixa envolver por ele.

Vibra positivamente, criando ao teu redor um escudo de proteção.

Não te faças vulnerável às ondas de desânimo e de tristeza.

Nada dá certo apenas para quem não se preocupa em acertar.

Os reveses são naturais. Não há ninguém que só encontre facilidades.

Não ofereças sintonia aos que atravessam o dia queixando-se de tudo e de todos.

Irmão José (psic. Carlos Baccelli – do livro “Vigiai e Orai”)

EM VERDADE – Irmão José

“Em verdade vos digo: os que carregam seus fardos e assistem os seus irmãos são os meus bem-amados.” – ‘O Evangelho Segundo o Espiritismo’ – Cap. VI, item 6.

Os que dão demasiado valor ao sofrimento sobrecarregam-se inutilmente…

Os que se demoram lamentando esta ou aquela provação que estejam atravessando tornam a sua própria cruz muito mais pesada.

Quase sempre, os que mais padecem no mundo são os espíritos mais produtivos; nos que muito reclamam, na maioria das vezes, há mais queixa do que dor…

Poetas e literatos, músicos e cientistas, religiosos e livres-pensadores alcançaram culminâncias, nas obras que os imortalizaram ou em seus testemunhos de fé, motivados pelas lágrimas que verteram em silêncio!…

Jesus não bem-aventurou em vão os aflitos… É que, na aflição sem desespero, o homem cresce interiormente, mobilizando forças espirituais que o induzem a sair do comodismo em que vive.

Quantos não transformam a sua desdita em bênção de luz para a Humanidade!…

Mesmo sofrendo, não há quem se revele incapaz de estender as mãos aos que se movimentam na retaguarda.

Enxergar apenas o próprio sofrimento é uma das formas mais primitivas de egoísmo, porquanto pela sua reação diante da dor – divino estímulo – é que o homem se dá a conhecer em seu grau de espiritualização.

De ombros vergados pelo peso da cruz, escalando o calvário de suas provas, quem ainda se preocupa com o bem dos semelhantes imita o Senhor, em sua abençoada jornada ao Monte da Suprema Libertação, detendo-se, a cada passo, para socorrer e consolar os que choravam, à beira da estrada…

Em verdade, o sofrimento tem sido a fonte de inspiração para que a Vida se sublime através das almas sedentas do Amor de Deus!…

Irmão José (psic. Carlos Baccelli – do livro “Pedi e obtereis”)