Ramatís

Ramatis é um espírito provindo de outras latitudes siderais (Sirius). Faz parte da elevada hierarquia terrestre que assessora o Mestre Jesus em seu projeto de evolução desta humanidade. Por amor a ela, reencarnou várias vezes, no seio de várias raças, sendo lembrado como insigne instrutor em diversas tradições e mestre de discípulos.

É propósito de Ramatís a difusão do Conhecimento Eterno, unindo as tradições espirituais do Oriente e do Ocidente, para auxiliar no despertamento da consciência da humanidade.

A tônica de seu ensinamento é o universalismo – o reconhecimento e aceitação de todos os caminhos espirituais dos homens, considerando que “as religiões são meios, não fins em si mesmas”.

Doutrina

Ramatis coordena a Fraternidade da Cruz e do Triângulo, equipe extrafísica de espíritos oriundos do cristianismo e das tradições religiosas do Oriente, comprometida em difundir síntese do conhecimento contido nas doutrinas religiosas e espiritualistas ocidentais e orientais, a fim de promover a integração da humanidade em torno de valores éticos e cosmoéticos em comum e a expansão dos horizontes conscienciais planetários.

O convite ao autoconhecimento assim como a conscientização do ser humano em relação ao seu habitat são conceitos sistêmicos igualmente abordados por Ramatis, além dos temas pré-encarnação e cidadãos do terceiro milênio. Nos últimos anos, Ramatis também teria se dedicado ao esclarecimento de temas relacionados à umbanda e à apometria, através das obras psicografadas por Norberto Peixoto.

O grupo universalista Voadores, ligado à Fraternidade da Cruz e do Triângulo, reúne alguns dos médiuns citados (entre eles Lázaro Freire e Dalton Campos Roque) e também atribui a Ramatis a sua fundação e coordenação. Existem vários grupos de discussão e novos adeptos e admiradores de Ramatis, assim como inúmeros grupos, perfis e comunidades no Facebook.

O repertório de estudos que teriam contado com a orientação do espírito de Ramatis se caracteriza pelo ecletismo, versando acerca de temas variados, tais quais fanatismo, ecumenismo, universalismo, espiritismo, teosofia, hinduísmo, cosmoética, transição planetária, conscienciologia, projeciologia, apometria, umbanda, ufologia, vegetarianismo, esperanto, câncer, tabagismo, alcoolismo, bioenergias, magia negra, chacras, mediunidade, projeção da consciência (viagem astral), autoconhecimento, leis do carma, projeto reencarnatório, suicídio, sexo, procriação, futuro do Brasil e da Terra, Jesus e profecias bíblicas.

Ramatís e o Espiritualismo Universalista

Espiritualismo é uma denominação comum a várias doutrinas filosóficas e/ou religiosas, e tem como fundamento básico a afirmação da existência do espírito (ou alma) como elemento primordial da realidade, bem como sua autonomia, independência e primazia sobre a matéria. É o contrário de materialismo, que só admite a existência da matéria.
O termo espiritualismo, atualmente, é utilizado para denominar uma variedade enorme de religiões, sistemas filosóficos, doutrinas, crenças e seitas, cada qual apresentando características próprias, possuindo, em comum, o fato da crença na preponderância do mundo espiritual sobre o mundo material. Todo espírita é necessariamente espiritualista; mas pode o espiritualista não ser um espírita
Espiritualismo universalista é uma corrente de pensamento não-religiosa e antimaterialista, baseada em estudos históricos dos textos sagrados das principais religiões, Parapsicologia, Espiritismo entre outros estudos,
Corrente Filosófica
O Espiritualismo universalista é uma Corrente filosófica baseada nas teorias do karma e da reencarnação – Paradigma Consciencial avançado, a favor de que cada indivíduo, em vez de aderir, com exclusividade ou primazia, a determinado credo, sistema, doutrina, instituto, guru ou movimento, faça sua síntese pessoal das diversas correntes de pensamento relacionadas à espiritualidade (religiões, filosofias espiritualistas e neociências transcendentais) e às demais expressões culturais da humanidade, a exemplo das manifestações da arte, da filosofia e da ciência em geral.

Observa-se, que nesse especial contexto uma “síntese universalista” pessoal não é mistura mística, colcha de retalhos, não é salada esotérica, não é apenas frequentar vários tipos de locais, várias linhas evolutivas, mas é algo mais profundo, mais consciencial, mais íntimo. É a possibilidade de trabalhar, desenvolver, expandir a espiritualidade íntima (da alma) sem necessitar de se valer de religiões (mas podendo usá-las também), procurando a verdadeira, profunda e discreta reforma íntima (reciclagem intraconsciencial, reforma interior), se valendo das ferramentas conscienciais de cada linha evolutiva (suas técnicas, práticas, conhecimentos e sabedoria) adequando-se a seu contexto pessoal, psicológico, emocional, intelectual, ou seja, isso evita engolir pacotes prontos, tem-se a vantagem de ajustar o “conhecimento-sabedoria” a seu contexto pessoal para otimizar sua evolução consciencial. Nesses casos o rendimento evolutivo é maior, pois os dogmas (velados ou francos) das linhas e grupos é evitado, as posturas e linguajares padronizados também são evitados, os modismos e cacoetes, vícios e crenças, holopensenes formatados são evitados.

Mas essa condição de liberdade e ousadia consciencial, coragem consciencial, independência espiritual exige certo nível mínimo de cultura geral, de conhecimento, de autoconhecimento, mas principalmente de autoestima elevada e autoconfiança (discernimento consciencial). Não é grande o número de pessoas preparadas para tal opção.

· Tem como corolários o ecumenismo, o pluralismo, o holismo, o universalismo, a multidisciplinaridade, a transdisciplinaridade, a interdisciplinaridade e a cidadania planetária e cósmica. Simpatiza com a Psicologia Transpessoal.
· Opõe-se a posturas de sectarismo, exclusivismo, fanatismo e maniqueísmo. Valoriza a liberdade de expressão, o discernimento e a dialética. Não sustenta detenção de posse da verdade relativa e/ou absoluta sob qualquer desculpa, justificativa ou alegação.
· Mantém afinidade com o que Huberto Rohden chamava de anarquismo cósmico, ou seja, o autogoverno do indivíduo, em consonância com as normas da Ética universal (também chamada de cosmoética), dissociado quer de transferência de responsabilidade a terceiros para lhe ditar o caminho evolutivo a trilhar, quer da submissão a “pacotes doutrinários”, inquestionáveis e petrificados, e ao controle de conduta por instituições e autoridades sacerdotais, gurulátricas ou equivalentes.
Princípios do espiritualismo universalista
Parte dos seguintes pressupostos:

· As religiões são criações do gênio humano e não imposições de Deus e dos espíritos;
· Não existe corrente de pensamento a monopolizar as verdades relativas de ponta ou absolutas;
· Há caminhos diferentes para se atingir a evolução espiritual, dentro e fora de religiões ou quaisquer instituições afins;
· Há caminhos diferentes para se cumprir a programação existencial (dharma, missão de vida, projeto reencarnatório, etc) evolução espiritual, dentro e fora de religiões ou quaisquer instituições afins;
· Mais importa a conduta ética (e cosmoética), amorosa e fraterna do que a ideologia, cosmogonia, fé ou organização religiosa (ou congênere) escolhidas;
· São contraproducentes e inócuas disputas por qual o melhor guru ou líder espiritual da humanidade;
· Todas as contribuições ao esclarecimento espiritual e consciencial são válidas e relevantes, merecem respeito e apreciação sem preconceito, devendo-se extrair de cada ideologia o que nela houver de proveitoso ao aprimoramento do indivíduo e da sociedade;
· Que parapsiquismo, intelectualidade, comunicabilidade, mediunidade, projeção consciente, entre outros, são apenas ferramentas evolutivas (e podem inclusive serem mal utilizadas e evolutivamente contraproducentes), ou seja, não são o fim, são o meio utilizado, a ferramenta utilizada para evoluir espiritualmente (consciencialmente).
Brasil
· No Brasil, os precursores do espiritualismo universalista foram o filósofo e educador catarinense Huberto Rohden, tradutor do Novo Testamento, da Bhagavad Gita e do Tao Te Ching, ideólogo da filosofia univérsica, os advogados Hercílio Maes e mais recentemente, Carlos Alberto Tregnago, o primeiro, principal autor de obras atribuídas ao espírito de Ramatis, o segundo, de origem judaica, estudioso da Cabalá, e o radialista Alziro Zarur, fundador da LBV (Legião da Boa Vontade) e principalmente nas obras do médium e filósofo Jan Val Ellam, autor de mais de 15 livros que envolvem temas relacionados ao Universalismo Espiritualista.
· O espiritualismo universalista brasileiro sofre acentuada influência das obras do escritor espiritualista italiano Pietro Ubaldi, do filósofo norte-americano Ralph Waldo Emerson, do psiquiatra suíço Carl Gustav Jung, do psicólogo transpessoal estadunidense Ken Wilber, do poeta libanês-estadunidense Khalil Gibran e de célebres personalidades do hinduísmo, notadamente Swami Vivekananda, Krishna, Rama, Gandhi, Sathya Sai Baba, Mahavatar Babaji, Paramahansa Yogananda e Ramakrishna.
· No Brasil, o espiritualismo universalista expandiu-se na década de 1990. O principal fenômeno cultural é a Voadores, a maior lista de discussão mista do mundo sobre espiritualidade e viagem astral (mais de 6.780 assinantes, ao final de dezembro de 2006).
· Os adeptos brasileiros do espiritualismo universalista são pessoas que professam espiritualidade de cunho laico e temporal ou que militam em meio religioso reencarnacionista. A maioria dos espiritualistas universalistas do Brasil tem em sua formação cultural e ideológica a influência de, ao menos, alguma destas correntes de pensamento: doutrina.espírita, hinduísmo, Budismo, Umbanda, Teosofia, Conscienciologia e esoterismo, não raro, estudiosos de origem judaica, colaboram com o universalismo, através dos ensinamentos cabalísticos, repletos de ações de auto-conhecimento e conexão com o metafísico.

Médiuns diversos

  • Em função da proposta universalista de Ramatis, os médiuns que psicografam suas obras possuem perfis diferenciados, mesclando influências do esoterismo, do hinduísmo, da umbanda, da doutrina espírita, da Conscienciologia, da Projeciologia e do espiritualismo laico e temporal.
  • Os distintos perfis de seus médiuns e a mediunidade inspirativa (não-mecânica) de muitos deles fazem com que possuam, muitas vezes, opiniões diferentes sobre mesmas temáticas conscienciais.
  • Para que se tenha visão abrangente do pensamento de Ramatis é necessário comparar o conteúdo das obras escritas por seus médiuns e extrair desse cotejo pontos de convergência. As semelhanças residem no discurso do espiritualismo universalista, na abordagem de questões pouco discutidas na literatura espiritualista (ou na expressão de enfoques e pontos de vista pioneiros) e na invocação de princípios éticos universais. As diferenças radicam na simpatia ou antipatia por profecias apocalípticas, nos distintos estilos literários (mais coloquiais ou mais formais), áreas temáticas de especialização e no grau de proximidade do espiritualismo laico ostentado por cada médium.

Obras psicografadas por Hercílio Maes

  • A Vida no Planeta Marte e os Discos Voadores(1955)
  • Mensagens do Astral(1956)
  • A Vida Além da Sepultura(1957; autor espiritual principal: Atanagildo)
  • A Sobrevivência do Espírito(1958; autor espiritual principal: Atanagildo)
  • Fisiologia da Alma(1959)
  • Mediunismo(1960)
  • Mediunidade de Cura(1963)
  • O Sublime Peregrino(1964)
  • Elucidações do Além(1964)
  • A Missão do Espiritismo(1967)
  • Magia de Redenção(1967)
  • A Vida Humana e o Espírito Imortal(1970)
  • O Evangelho à Luz do Cosmo(1974)
  • Sob a Luz do Espiritismo(1999; obra póstuma)
  • Ramatis – Uma Proposta de Luz(2003; seleção de trechos das obras anteriores)

Obras psicografadas por América Paoliello Marques

  • Brasil, Terra de Promissão(1973 ou 1974)
  • Jesus e a Jerusalém Renovada(1980)
  • Viagem em Torno do “Eu”(2006; obra póstuma)
  • Nota: os livros Mensagens do Grande Coração(1962 ou antes), psicografado por América e Wanda B. P. Jimenez, e Evangelho, Psicologia, Ioga (1995), coletânea de estudos subsidiários de palestras de América e considerados inspirados por Espíritos, também contêm textos de Ramatis.

Obras psicografadas por Maria Margarida Liguori

  • Momento de Reflexão – Vol. 1(1990)
  • Momento de Reflexão – Vol. 2(1993)
  • Momento de Reflexão – Vol. 3(1995)
  • O Homem e o Planeta Terra(1998)
  • O Despertar da Consciência(1999)
  • Em Busca da Luz Interior(2001)
  • Jornada de Luz(2001)

Obra psicografada por Wagner Borges

  • Viagem Espiritual I(1993; co-autores espirituais: Yogananda, Rama e Aïvanhov

Obra psicografada por Beatriz Bérgamo

  • Gotas de Luz(1996

Obras psicografadas por Márcio Godinho

  • As Flores do Oriente (2000)
  • O Universo Humano (2001)
  • Resgate nos Umbrais (2007)
  • Travessia para a Vida (2007)

 

Obras psicografadas por Norberto Peixoto

  • Chama Crística (2001)
  • Samadhi (2002; co-autora espiritual: Vovó Maria Conga)
  • Evolução no Planeta Azul (2003; co-autora espiritual: Vovó Maria Conga)
  • Jardim dos Orixás (2004)
  • Vozes de Aruanda (2005; co-autor espiritual: Babajiananda)
  • A Missão da Umbanda (2006)
  • Umbanda Pé no Chão (2008)
  • Diário Mediúnico – Um Guia de Estudos da Umbanda (2009)
  • Mediunidade e Sacerdócio (2010)
  • O Triunfo do Mestre (2011)
  • Aos Pés do Preto Velho (2012) (co-autor espiritual: Pai Tomé)

Obra de Hur-Than de Shidha

  • O Astro Intruso e o Novo Ciclo Evolutivo da Terra(2004)

Obras de Dalton Campos Roque & Andréa Lúcia da Silva

  • O Karma e Suas Leis(2004)
  • Mensagens de Ramatís e Amigos Espirituais(2013)

Obras psicografadas por Leandro Ortolan

  • O Tempo dos Mensageiros(2013)

Obra de Carlos Henrique Forte

  • Cosmoverso – Da Criação à Evolução Espiritual(2014)

Obra psicografada por Sandra Silva

  • Essência e Autoencontro (2015)

Obras psicografadas por Sávio Mendonça

  • O Vale dos Espíritas (2015)
  • Missão Planetária (2016) (co-autores espirituais Akhenaton e Hamod)