FARDO – Irmão José

Não há ninguém sem um fardo para carregar.

O parente difícil, o filho-problema, o amigo inconstante, o cônjuge irresponsável…

Se há quem nos seja um fardo, é possível que igualmente sejamos um fardo para alguém.

Em todo grupo familiar há sempre um ou outro espírito recalcitrante, ali colocado pelas Leis da Vida para a imprescindível permuta de experiências.

Quem tem mais é chamado a dar a quem tem menos.

A pessoa difícil com a qual convivemos é sempre um examinador às avessas, na aferição de nossos reais valores.

Todo fardo carregado com amor pode se transformar em escora, impedindo a queda de quem o sustenta.

Não maldigamos o fardo de nossas penosas obrigações cotidianas, convictos de que é justamente ele o instrumento de nosso aperfeiçoamento.

Ninguém irá a parte alguma abandonando o seu fardo à margem da estrada.

Todo débito, cuja quitação se adia, deverá, mais tarde, ser saldado com juros.

Meditemos nestas palavras inseridas em ‘O Evangelho Segundo o Espiritismo’: “Todos aqueles que carregam o seu fardo e assistem seus irmãos são os meus bem-amados”.

Irmão José (psic. Carlos Baccelli – do livro “Lições da Vida”)