Indicação de livros

Que bom perceber o seu interesse na literatura espírita. Kardec que conta que a melhor forma de ajudar a doutrina é divulgá-la.

Indicamos hoje dois livros produzidos na nossa casa.

Os Mensageiros da Esperança – Em 1990 iniciei minhas atividades mediúnicas no Hospital Espírita Casa de Eurípedes. Na época,  trabalhando como médico plantonista, conheci o Grupo Fraterno, núcleo de luz e trabalho sério, que tratava obsessão grave em portadores de doença mental.

Foi um caso de paixão à primeira vista. Desde então me dedico, dentro de minhas limitações, a esse trabalho, que hoje tem continuidade na Comunidade Espírita Ramatís, fundada em 2003 e que nos dias de hoje conta com o apoio de mais de duzentos trabalhadores voluntários.

Os relatos desse livro são verídicos, obviamente romanceados para melhor entendimento. Os nomes dos médiuns foram trocados por motivos óbvios. Dessa forma, podemos considerar essa obra como mediúnica, mas sem a psicografia tradicional. Ela é um compilado do relato dos médiuns durante o desdobramento consciente e deve ser creditada aos seus verdadeiros autores, os médiuns do grupo.

Eventuais erros são de minha responsabilidade. Obviamente que não temos nesse livro uma obra doutrinária, reservada aos espíritos de escol, preparados pela espiritualidade para esse mister. A intenção é somente mostrar a leveza e seriedade com que a espiritualidade conduz seus trabalhos e olha por todos sem exceção.

Esse tipo de viagem astral nos foi proposta pelo mentor, assim como está descrito no livro, em 1998. Após anos de treinamento conseguimos atingir um grau de desenvoltura mais natural, o que auxiliou muito nos trabalhos.

A perspectiva de auxiliar crianças internadas na espiritualidade a reencarnar nos encanta. Presos ao atavismo da culpa e do castigo, sem essa intervenção muitas dessas crianças teriam seu problema agravado pela culpa e pelo remorso.

O conhecimento adquirido nesses anos permite aos médiuns, sob a coordenação segura e amorosa da espiritualidade, intervir no perispírito, modelo organizador biológico, harmonizando energias que poderiam ser drenadas como desordens orgânicas caso não fossem tratadas.

Durante o processo de treinamento fomos apresentados a verdadeiros oásis na Colônia Esperança. O trabalho do apóstolo mineiro, Eurípedes Barsanulfo foi construindo aos poucos na Colônia vários locais absolutamente maravilhosos. O Templo de Cristal e o Jardim Terapêutico são alguns deles.

Manual Prático de Apometria – Esse livro é um ato de gratidão aos pioneiros da investigação dos aspectos espirituais da vida. Reverenciamos aqui Albert de Rochas, Blavatsky, Flammarion entre outros, e obviamente o grande Allan Kardec.

Além disso, queremos honrar a memória do Dr. Lacerda, criador da técnica anímica espiritual chamada apometria, uma importante ferramenta que pode ser utilizada como complemento aos conhecimentos da mediunidade, no auxílio ao próximo, sempre de forma caritativa, como nos ensina Jesus – ” Dai de graça o que de graça recebestes”. Ao fazer isso, abaixamos nossas cabeças para os pioneiros da “Casa do Jardim”, onde tudo se iniciou.

Dentro da nossa visão, a apometria deve ser utilizada como uma técnica complementar ao conhecimento espírita. Sendo essencialmente anímico-mediúnica, a mesma disciplina e seriedade exigida no manejo da mediunidade, deve também ser aplicada ao uso dessa ferramenta.

No ano de 2000, nosso grupo através de nosso dirigente, Milton de Souza, entrou em contato com o livro do Dr. Victor Ronaldo – “Apometria, novos horizontes da medicina espiritual”. Esse grande trabalhador do Cristo, que viria a se tornar um querido amigo pessoal, nos levou a inúmeros questionamentos. Estudamos posteriormente na fonte com Dr. Lacerda e durante três anos testamos as chamadas leis da apometria, que nada mais são do que conclusões obtidas pelo seu criador em 20 anos de estudo e prática no bem ao próximo na Casa do Jardim, instituição anexa ao Hospital Espírita de Porto Alegre.

O material que preparamos com muito amor é um manual prático de estudo e trabalho. Mas o estudante-trabalhador que utilizar a técnica não deve se limitar a ele. Nenhum grupo mediúnico pode crescer sem estudo sistematizado.

Muitas pessoas colaboraram para essa obra, mas nosso eterno dirigente, Milton de Souza, merece os créditos pelo trabalho.

Que a leitura seja agradável, que gere questionamentos, e principalmente que abra o coração dos trabalhadores para possibilidades diferentes, eventualmente até para chegar a conclusão que não querem trabalhar com a técnica, pois um caminho é só um caminho.