INSENSATEZ – Irmão José

“Uma das insensatezes da Humanidade consiste em vermos o mal de outrem, antes de vermos o mal que está em nós.” – (“O Evangelho Segundo o Espiritismo”, Cap. X – Bem-aventurados os que são misericordiosos.)

Embora sem consciência disso, torna-se extremamente ridículo quem se põe a apreciar a conduta alheia, com o intuito de efetuar julgamentos descaridosos.

Nem mesmo quem a isso se sentisse constrangido, inclusive por deveres profissionais, deveria se esmerar em colocar o mal de outrem a descoberto sem que tal atitude lhe aumentasse o constrangimento.

Podemos considerar cada criatura encarnada como célula integrante do corpo social, e não é possível que uma só dessas células se enferme sem comprometer a saúde de todo o organismo, que, então, em sua complexidade, carece de ser tratado por inteiro, porque ninguém envia um braço ao hospital para ser tratado, deixando o seu corpo em casa.

O delinquente que vive em confronto com a lei dos homens fala, sem palavras, da delinquência de toda a Humanidade que vive à margem da Lei Divina, mormente quando não envida esforços para impedir que a criminalidade continue a se propagar.

Um único gesto de desonestidade em alguém é reflexo das inclinações infelizes que, na condição de forças vivas, apoderam-se de quem se revela mais frágil, a fim de se concretizarem naquele que não teve condições de repeli-las.

Cada pessoa, em seus pensamentos, palavras e atitudes, é médium não apenas dos desencarnados, mas dos encarnados também, que incorporam em suas tendências.

Deus consente que, entre nós, vivam irmãos afeitos ao mal para que, neles, nós consigamos enxergar a pior parte existente em nós mesmos, e nos empenhemos em erradicá-la.

Por mais distante esteja, não há como alguém se isentar de responsabilidade por uma criança que morre de fome em qualquer parte do planeta.

Não nos esqueçamos de que em um edifício, que não se levanta, a partir da base até ao teto, de forma harmoniosa e segura, a fragilidade de um único pilar em que ele se alicerça pode colocar em risco toda a edificação que, com o tempo, tende a desabar.

Não seria, portanto, exagero concluirmos que o mal – de qualquer natureza – que enxergamos no próximo denuncia o grau de indiferença social e espiritual, que ainda persiste em nós; não obstante, em nossa insensatez, insistimos em achar que não nos diz respeito.

Irmão José (psic. Carlos Baccelli – do livro “Vinde a Mim”)