MÉDIUNS NA TAREFA – Eurícledes Formiga

MÉDIUNS NA TAREFA

Conclusão a que cheguei,
No estudo que faço atento;
A luz da mediunidade
Chama-se discernimento.
*
Feito semente nas mãos
Do lavrador mais ativo,
Onde nasce e se enraíza,
Mediunidade é cultivo.
*
Para a Doutrina não há,
Pela metade ou inteiro,
Uma pior propaganda
Do que médium interesseiro.
*
Médium que fala de si,
É qual a flor que trescala
Que, se abrindo de manhã,
À tarde se despetala.
*
Infelizmente é assim,
No que não lhes digo a esmo:
Há médium no Espiritismo,
A serviço de si mesmo.
*

Médium que em tudo que faz
Espera aplausos somente,
Se no corpo tem saúde,
Revela a alma doente.
*
Todo médium que apareça
Mais do que se faz normal,
Embora servindo ao Bem,
Está nos planos do Mal.
*
Verdade que se constata
Por onde se queira ir:
Quando o médium se levanta,
Está prestes a cair!…
*
Irmão José e Eurícledes Formiga (Poesias) (psic. Carlos Baccelli – do livro “Frutos da Mediunidade”)