NÃO TERIAS A OUSADIA – Irmão José

NÃO TERIAS A OUSADIA

Se tivesses acesso ao teu passado de culpas, não censurarias ninguém.

Se pudesses prever o desatino que, a qualquer momento, és capaz de cometer, não te atreverias a julgar a quem fosse.

Se avaliasses bem as tuas inclinações negativas, viverias com justificado receio de ceder ao assédio delas e exteriorizá-las, de inesperado.

Se considerasses que, na maioria das vezes, és comandado por emoções que não consegues controlar, pensarias demoradamente antes de emitir uma única opinião sobre determinado assunto.

Se percebesses as oscilações de tua personalidade, sempre em trânsito da luz para as sombras, tratarias de ser mais humilde, combatendo sem tréguas as tuas imperfeições.

Se, enfim, procurasses viver com maior consciência de tuas muitas mazelas, não terias a ousadia de sequer efetuar insinuações maledicentes com que intentas prejudicar os teus semelhantes.

Irmão José (psic. Carlos Baccelli – do livro “Pai, Perdoa-lhes!”)