NOVO PENTECOSTES – Irmão José

“… e o grande problema ficaria sem solução, se o Espiritismo não viesse em auxílio dos pesquisadores, demonstrando-lhes as relações que existem entre o corpo e a alma…” – (“O Evangelho Segundo o Espiritismo”, Cap. XVII – Sede perfeitos.)

Realmente, sem qualquer laivo de fanatismo, não existe uma doutrina que seja tão esclarecedora a respeito da Vida, sobre a Terra e além da Terra, quanto o Espiritismo.

Nenhuma que nos ofereça tantas informações lógicas a respeito da imortalidade e que nos descortine, com tantos detalhes, as realidades do Mundo Espiritual.

Todavia, justamente por ser tão clara em seus postulados e, consequentemente, não compactuar com os interesses de grupos representativos das mais diversas crenças religiosas dominantes, a Doutrina Espírita, no campo da fé, vem se deparando com os mais ferrenhos adversários.

Inclusive, conta ela com opositores entre os seus próprios adeptos, que, a não ser os que foram feitos por Allan Kardec, no século XIX, não admitem outros avanços da Terceira Revelação, porque, inconscientemente, se sentem incomodados pela luz crescente da Verdade que, jorrando de Mais Alto, lhes requisita cada vez maior renúncia de si mesmos.

Estes, em vez de a combaterem de fora para dentro, a combatem de dentro para fora, transformando-se, sem que suspeitem disto, em instrumentos para entravar a sua marcha, que percebem escapar ao controle que, no passado, estavam habituados a exercer sobre a teologia das religiões que auxiliaram a desvirtuar.

O Espiritismo, porém, é uma doutrina diferente; porquanto, pertencendo aos espíritos, não se circunscreve ao âmbito do Movimento organizado e extrapola os limites doutrinários com que muitos pretendem lhe cercear a liberdade de expansão.

Não sendo, como as demais, uma religião formalizada e, portanto, não compromissada com dogmas e hierarquias, o Espiritismo, estando em a Natureza, espraia-se por toda parte, não comportando peias de qualquer espécie.

Poderíamos mesmo afirmar que o Espiritismo surgiu para vitalizar o espírito de todas as religiões que, constrangidas a se deterem no tempo, os homens as fizeram e continuam a fazê-las lentamente agonizar, ensejando assim o progresso do materialismo, que vem ocasionando a ruína da Humanidade.

Observando que a Doutrina lhes foge à ortodoxia, muitos de seus adeptos entram em desespero, porque, acostumados à vassalagem, eles estimariam ser entronizados em sua liderança, qual se isto lhes pudesse constituir um atestado de elevação espiritual que estão longe de possuir.

Inútil, porém, todas as tentativas de quantos, seja extra ou intramuros, procuram lhe obstruir a caminhada, porque, com a multiplicação e a diversidade de médiuns, não há quem consiga impor silêncio às vozes que, do Mais Além, promovem sobre a Terra um novo Pentecostes.

Irmão José (psic. Carlos Baccelli – do livro “Vinde a Mim”)