QUALQUER UM DE NÓS – Irmão José

QUALQUER UM DE NÓS

Quantas vezes já tiveste ocasião de te arrependeres do juízo precipitado que formulaste a respeito dos outros!

Quantas injustiças cometidas por ti, examinando atitudes alheias de maneira superficial, sem sequer considerares a hipótese de estares equivocado!

Não continues, pois, fazendo coro com os que gritam condenações, sem ouvirem as tímidas vozes que se erguem em favor dos acusados.

Depois de esgotares todas as tuas possibilidades de apreciação no processo contra alguém, dificilmente deixarás de encontrar elementos que, pelo menos, lhe atenuem a falta.

Porquanto, de fato, espíritos imperfeitos que todos ainda somos, o delinquente pode ser qualquer um de nós que se deixou surpreender pelo ato de delinquir.

Irmão José (psic. Carlos Baccelli – do livro “Pai, Perdoa-lhes!”)