SEMEADURA – Irmão José

Selecionemos a semente que haveremos de lançar no solo da Vida.

O homem é sempre escravo de sua própria semeadura.

Ninguém colherá flores plantando espinhos.

Toda semente germinará no momento que lhe for propício.

A boa semente, embora solitária na gleba em que germina, haverá de se multiplicar nos frutos que produz.

A sementeira do bem sobre a Terra reclama cultivadores de boa vontade.

A rigor, a existência do homem no mundo é a semente que ele deixa plantada para a posteridade…

Seja no bem ou no mal, os espíritos reencarnam para colher, no tempo, o resultado da própria semeadura.

Diante da Lei Divina, ninguém se apropria da sementeira alheia.

Existem homens que, infelizmente, não passam de figueiras sem frutos, qual aquela com que o Mestre exemplificou aos apóstolos a necessidade de uma vida útil.

Semeemos sempre, não nos esquecendo de que o crescimento da semente será dado por Deus.

Irmão José (psic. Carlos Baccelli – do livro “Lições da Vida”)