SUPÉRFLUO – Irmão José

Cultivemos o hábito da vida simples.

O supérfluo é sempre um peso desnecessário sobre os ombros.

Quanto mais tiver a que se apegar mais o espírito se sentirá embaraçado.

Para que o homem acumula o que não desfruta?!

Quantos passam a vida vigiando o que imaginam ter para, depois, entregarem a mãos de pessoas levianas e irresponsáveis ?!

O que excede às nossas necessidades está fazendo falta a alguém.

Muitos dão, mas apenas as migalhas do que lhes sobra.

Na oração, Jesus não nos ensinou a pedir mais do que “o pão nosso de cada dia”.

A vida simples é sabedoria de quem consegue passar sobre a Terra incólume às tentações de ordem material.

Viver com simplicidade é viver usufruindo a melhor parte da vida, degustando-lhe o sabor e sentindo o seu perfume.

Ao contrário, quem corre atrás do supérfluo contraditoriamente passa pela vida contentando-se com bem pouco, porque não tem olhos para enxergar o tesouro que “os ladrões não roubam, a traça não destrói e a ferrugem não consome”.

Irmão José (psic. Carlos Baccelli – do livro “Lições da Vida”)