CAPÍTULO 35 – QUE PEDES? – EMMANUEL

“Louco, esta noite te pedirão a tua alma.” – Jesus. (Lucas, 12:20.)

Que pedes à vida, amigo?

Os ambiciosos reclamam reservas de milhões.

Os egoístas exigem todas as satisfações para si somente.

Os arbitrários solicitam atenção exclusiva aos caprichos que lhes são próprios.

Os vaidosos reclamam louvores.

Os invejosos exigem compensações que lhes não cabem.

Os despeitados solicitam considerações indébitas.

Os ociosos pedem prosperidade sem esforço.

Os tolos reclamam divertimentos sem preocupação de serviço.

Os revoltados reclamam direitos sem deveres.

Os extravagantes exigem saúde sem cuidados.

Os impacientes aguardam realizações sem bases.

Os insaciáveis pedem todos os bens, olvidando as necessidades dos outros.

Essencialmente considerando, porém, tudo isto é verdadeira loucura, tudo fantasia do coração que se atirou exclusivamente à posse efêmera das coisas mutáveis.

Vigia, assim, cautelosamente, o plano de teus desejos.

Que pedes à vida?

Não te esqueças de que, talvez nesta noite, pedirá o Senhor a tua alma.

EMMANUEL

(do livro “Vinha de Luz” – psic. Chico Xavier)

NADA E NINGUÉM – Irmão José

Aguardas pela Vida Espiritual, entretanto não raciocinas de que, embora na Terra, te encontras vivendo exclusivamente pelas faculdades do espírito.

O corpo de que te revestes presentemente não diferirá muito do que te revestirá, quando te advier a desencarnação.

A paisagem para a qual te transferirás, além da morte, guarda estreita semelhança com a que os teus olhos físicos vislumbram.

A rigor, a desencarnação não te subtrairá de ti mesmo e dos problemas a que não deste solução pelo teu esforço.

A Terra é tão-somente uma das múltiplas Dimensões Espirituais em que o espírito estagia, evolutindo de corpo em corpo, em busca da perfeição.

O que não consegues realizar onde te encontras será dificilmente realizado alhures, desde, é óbvio, que não te decidas a fazê-lo.

A chamada morte, em si, é acontecimento periférico que não te altera a substância do ser.

Embora o desenlace físico te possibilite muitas reflexões, se, efetivamente, desejas alguma mudança para melhor em tua vida, isto só acontecerá pela tua decisão de fazer o que nada e ninguém pode fazer por ti.

Irmão José (psic. Carlos Baccelli – do livro “De ânimo firme”)

FALANDO AOS ESPÍRITOS – Irmão José

“Mas, os homens a quem Jesus falava não compreenderiam essa nuança, pelo que ele se limitou a lhes apresentar um modelo e a dizer-lhes que se esforçassem para alcançá-lo.” – (“O Evangelho Segundo o Espiritismo”, Cap. XVII – Sede perfeitos.)

Realmente, muitos são os que alegam que Jesus, nas lições que deixou por herança à Humanidade, não se referiu, de maneira específica, ao fenômeno da morte.

Ponderam que ninguém melhor do que Ele poderia tê-lo feito, de vez que, sem dúvida, a morte é o acontecimento que, em todos os tempos, mais aflige o homem na Terra.

Dizem que o Cristo, que ressuscitou a Lázaro, limitou-se a chamá-lo para fora do túmulo, perdendo ali ótima oportunidade de tecer considerações mais transcendentes em torno do assunto.

Convenhamos, no entanto, que o Mestre, quando caminhou entre os homens, ensinando-lhes o caminho para o Reino Divino, não lhes enxergava o corpo perecível, mas sim o espírito que iria viver para sempre.

A sua palavra que, em várias ocasiões, se dirigia aos homens e aos espíritos, não se restringia a fatos ilusórios da vida material, que, para Ele, nada significavam, ou, a rigor, sequer existiam.

Indiretamente, pois, ao ressaltar que o Seu reino não era deste mundo, Ele pregou a imortalidade, induzindo-nos, naturalmente, a concluir pela inexistência da morte, a não ser como fenômeno de ordem secundária, não afeto à essência do ser.

A questão ainda é que o Cristo se preocupava em preparar os espíritos para viver, onde quer que fosse, e não para morrer, de vez que a chamada morte sequer lhes poderia acometer os elementos constitutivos do corpo, que, igualmente, são eternos.

“… eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância” – disse-nos, o que João fez constar no capítulo 10, versículo 10, de suas preciosas anotações.

Ora, como poderia Ele ter vindo para que o corpo que perece tivesse vida em abundância, se Ele mesmo, o Senhor, não tardaria a encontrar a morte na cruz?!

Claro está que Jesus se referia à vida do espírito – que pode e viverá de modo sempre mais pleno – e não à do corpo, que, a cada dia que passa, sem retrocesso possível, mais e mais se degrada.

A morte, evidentemente, era algo com que Ele, em absoluto, não se preocupava, e se, porventura, chorou diante do túmulo de Lázaro, chorou porque a multidão que esperava que Ele ressuscitasse ao irmão de Marta e Maria, ainda estava muito longe de compreender isso.

Irmão José (psic. Carlos Baccelli – do livro “Vinde a Mim”)

ENTRE O JARDIM E O QUINTAL – Irmão José

“Quando deixa a Terra, o espírito leva consigo as paixões ou as virtudes inerentes à sua natureza e se aperfeiçoa no espaço, ou permanece estacionário, até que deseje receber a luz.” – (“O Evangelho Segundo o Espiritismo”, Cap. XIV – Honrai a vosso pai e a vossa mãe.)

Em qualquer Sistema do Universo, entre um mundo e outro não existe descontinuidade – entre os orbes visíveis e os invisíveis o que há é apenas maior ou menor condensação da matéria que os constitui.

A Terra não passa de uma das infinitas Dimensões em que a Vida se manifesta.

O corpo físico é a expressão mais materializada do corpo espiritual – ou perispírito – como o próprio perispírito é o reflexo mais externo do corpo mental, e assim sucessivamente…

De acordo com a sua condição mental, no grau de lucidez que haja alcançado, o espírito se situa no Espaço que habita, e plasma a paisagem ao seu derredor.

Reencarnação e desencarnação são fenômenos que se restringem ao envoltório, e não ao espírito propriamente dito, que, em sua essência, é sempre o mesmo.

A Terra é como se fosse o portal de comunicação, entre o jardim e o quintal de uma casa que, quando fora do corpo, o espírito atravessa – alguns se dirigem ao quintal, e outros, ao jardim!

À medida que o ser inteligente evolui, ele vai transcendendo a forma que o limita, e, ao mesmo tempo, concorrendo para que, igualmente, a matéria se espiritualize.

Portanto, desencarnar não possui outro significado que não seja transferência de domicílio espiritual.

A mente do espírito sempre se adapta ao meio em que vive e, naturalmente, com ela, as suas percepções.

Quanto mais identificado com a matéria, mais o espírito se permite subjugar, porque, afinal, é com a matéria, e não consigo mesmo, que ele ainda mais se identifica.

Como um pássaro que emerge de seu ninho, a matéria é o berço em que o espírito se desenvolve.

A matéria tal qual a concha de uma ostra, e o espírito, a pérola, que se forma a partir de um grão de areia – mas, um dia, a própria concha da ostra será pérola também.

A Terra é Mundo Espiritual, e o Mundo Espiritual é Terra.

Na ilusão dos sentidos, vida e morte não têm outra conotação que não seja a de ordem terminológica.

Irmão José (psic. Carlos Baccelli – do livro “Vinde a Mim”)

MORTE – Irmão José

A morte é simples mudança de plano existencial.

Em a Natureza, nada desaparece para sempre.

A semente volta a ser árvore, a noite volta a ser dia, o velho volta a ser jovem…

Vida e morte são apenas estados que se alternam e se sucedem no caminho da evolução.

É necessário que os homens se conscientizem de que estão na Terra para breve tempo e que todos, sem distinção, mais cedo ou mais tarde serão chamados à Grande Mudança.

A vida na matéria é ilusão, porque tudo o que é material é transitório, sujeito a inevitáveis transformações.

Ninguém tenha receio de morrer; antes, tenha receio de viver iludido quanto à Verdade.

Ninguém se desespere pelos entes queridos que partiram; em obediência às suas necessidades cármicas, eles simplesmente viajaram mais cedo.

Apenas tem medo da morte quem desconhece a Vida.

Além do túmulo, continuamos a ser nós mesmos, porque se a morte nos despoja do corpo, não nos altera a individualidade.

Portanto, ninguém espere alcançar na morte a auréola de santidade que não logrou alcançar na vida…

Irmão José (psic. Carlos Baccelli – do livro “Lições da Vida”)