VELHAS FERIDAS – Irmão José

Quando te dispuseres ao diálogo com alguém, não lhe remexas em velhas feridas, recordando episódios desagradáveis de que ele foi protagonista.
Evita causar-lhe constrangimentos, rememorando acontecimentos infelizes que, de maneira direta ou indireta, o envolveram.
A caridade do esquecimento, em relação às faltas alheias, é virtude em que mais devemos nos empenhar para colocar em prática.
Se a própria Lei Divina, a fim de que possamos reerguer-nos para a Vida, nos concede a bênção do olvido, em relação aos erros cometidos no passado, por que haveríamos de negar a mesma oportunidade aos nossos irmãos que caíram?
Em qualquer circunstância, nos valermos das mazelas alheias como trunfo ou objeto de chantagem, para nos colocarmos em situação de superioridade e privilégio, é pôr à mostra uma das piores características de nossa personalidade.
Irmão José (psic. Carlos Baccelli – do livro “Pai, Perdoa-lhes!”)

NOS PARÂMETROS DA LEI – Irmão José

A rigor, todo homem tem muito mais o que agradecer do que pedir.
Nos parâmetros da Lei, a aplicação da Justiça Divina se submete à ação da Divina Misericórdia.
O Criador, de certa maneira, é como os pais humanos que, em troca de um sorriso do filho, são capazes de lhe proporcionar o Céu.
Muitas vezes, um único gesto de caridade é suficiente para promover substancial alteração no destino de quem o pratica.
Ao mais leve sinal de arrependimento de qualquer pessoa, Deus lhe escancara a porta de infinitas oportunidades para redimir-se.
Não te iludas; sobre a Terra, todas as pessoas, por mais sofram, são sempre mais felizes do que realmente merecem.
Irmão José (psic. Carlos Baccelli – do livro “Pai, Perdoa-lhes!”)

MEDO INÚTIL – Irmão José

Medo que, porventura, manifestes à respeito da chamada morte é completamente inútil.

Tudo o que existe experimenta a necessidade de contínua mudança.

Cada elemento da Criação cumpre com determinado ciclo de vida e, depois, desaparece, para, em seguida, reaparecer, transfigurado.

Os próprios corpos inertes estão à procura da forma ideal.

O átomo anseia por ser Sol, o verme aspira a ser homem e o homem, por sua vez, sonha ser anjo!

Portanto, não temas o que te é inevitável e, mesmo, indispensável!

Sem que nunca tenhas deixado de viver, sem-número de vezes já morreste e sem-número de vezes ainda morrerás.

Espírito em trânsito pelo Universo, vive, pois, sempre com alegria, na expectativa de que, um dia, te seja dado viver em plenitude, em perfeita comunhão com o Criador.

Irmão José (psic. Carlos Baccelli – do livro “Pai, Perdoa-lhes!”)

NÃO ACREDITES MESMO – Irmão José

Não acredites, mas não acredites mesmo, que já estejas na condição espiritual que, um dia, atingirás.Jamais admitas que nada mais tenhas que aprender e melhorar.

Repudia todo e qualquer pensamento que te subtraia a realidade a teu próprio respeito, no que tange a mazelas e limitações que ainda te caracterizam.

Luta contra a ideia de tua superioridade em relação ao próximo.

A única situação de privilégio que deves admitir contigo é a de servir.

Quando te sentires em delírio de grandeza, sobe ao prédio mais alto de tua cidade e olha, atentamente, para baixo…

Sem dificuldade, constatarás que o homem, com todo o seu orgulho e presunção, não passa de pequenino grão de areia, perdido entre bilhões de outros, que se movimentam ao sabor das vagas do Oceano da Divina Misericórdia.

Irmão José (psic. Carlos Baccelli – do livro ‘Pai, Perdoa-lhes!’)